Specializzato in diritto commerciale, lo studio legale Trevisan Merheje Advogados offre consulenza legale a società e privati, a livello nazionale e estero, in ambito societario, tributario, immobiliare, lavorista e previdenziale, civile, di famiglia, di successione e penale. E’ in grado di occuparsi interamente delle problematiche quotidiane del cliente all'interno della propria struttura aziendale, ed anche dell’insieme delle relative azioni giudiziarie.

Lo studio legale gestisce casi che riguardano tutte le tematiche del diritto, che richiedono un approccio multidisciplinare sia per quanto riguarda i settori di attività dei propri clienti, sia per questioni riguardanti i soci di tali società, in materia di interessi e di esigenze di prestazione giuridica di persona fisica.

Con sede a San Paolo, ha partners domiciliatari in Brasile e all'estero, così da offrire al cliente un servizio completo e integrato. I suoi soci, collaboratori e consulenti parlano fluentemente inglese, spagnolo e italiano, in grado di negoziare e stipulare in queste lingue. I soci si sono laureati presso importanti Istituti di formazione e vantano esperienze professionali all'estero, lavorando frequentemente in altre giurisdizioni.

"LA FORZA DEL DIRITTO DEVE
SUPERARE IL DIRITTO DELLA FORZA"

Rui Barbosa

Difesa, attiva e passiva, in cause di lavoro e azioni legali speciali, giornata di lavoro, l'assunzione e il licenziamento di dipendenti, stipendio e benefit, routine di risorse umane, time bank, busta paga, piani di incentivazione (partecipazione ai risultati, bonus, le politiche di remunerazione, benefit), regolamenti interni, verbale di contestazione, Conduct Adjustment Agreement, licenziamenti collettivi, negoziati in tavole rotonde innanzi ai DRT, riunioni con i rappresentanti del Ministero del Lavoro, Ministero Pubblico e sindacati per i negoziati di accordi o class actions, relazioni sindacali, analisi di convenzioni e contratti collettivi di lavoro, la ristrutturazione e la riduzione di dipendenti in fusioni e acquisizioni, estinzione di stabilimenti, chiusura di attività, rappresentanza dinanzi agli organi arbitrali.

Azioni dichiaratorie di diritto e di nullità di debiti fiscali previdenziali, difese in esecuzioni fiscali proposte dalla Previdenza Sociale (PS), Agenzia delle Entrate Federale del Brasile e Caixa Economica Federal, recupero di contributi sociali indebitamente riscossi innanzi alla PS, al RFB, a altre entità e al FGTS, difese nell'ambito di procedimenti instaurati dalla PS e RFB per questioni legali relative all’incidenza di contributi previdenziali, monitoraggio di processi fiscali e previdenziali della RFB, analisi dei programmi di prevenzione dei rischi ambientali (PPRA) e programmi di controllo medico e di Medicina del Lavoro (PCMSO) per la gestione e riduzione dei rischi in ambito di Fattore Accidentale di Prevenzione - FAP, Nesso Epidemiologica Tecnico - NTEP e Addizionale di Assicurazione contro gli Infortuni sul Lavoro - SAT.

Analisi di vari contratti, consulenza giornaliera a persone fisiche o giuridiche per ridurre incidenti attraverso l’analisi di strategie applicabili ai casi, perdita di chance, somme coinvolte, rischi e opportunità che devono essere considerate, revisione, elaborazione e negoziazione dei contratti, commerciali o civili, per realizzare negozi e attività a livello nazionale e internazionale: contratti di finanziamento, mutuo, prestito, bancari standardizzati, di prestito, di leasing, di trasporto, di compravendita, di lavoro, di incorporazione, di deposito, di rappresentanza commerciale, di distribuzione, di garanzia, costituzione di riserva di proprietà, ripartizione di spese tra le società collegate, servizi in generale, cessione, trasferimento di tecnologia, partnership, rescissione di contratti e altri tipi di strumenti che vincolino o che prevedano la cessazione del rapporto giuridico tra le parti contraenti.

Rappresentanza dei clienti in vari tipi di controversie, relative alle persone fisiche e giuridiche, in quest'ultimo caso, soprattutto in ambito commerciale, in particolare, in materia contrattuale, societaria, tributaria, recupero crediti, bancaria, di proprietà intellettuale, diritti dei consumatori, penale, immobiliare, di responsabilità civile, assicurativo e contro la pubblica amministrazione, oltre a contratti con clausole di arbitrato e mediazione. Così, azioni tipiche che lo studio legale segue per conto dei suoi clienti quelle di pagamento, azioni monitorie, di scioglimento di società, di responsabilità civile, possessorie, di deposito, di consegna in pagamento, di rendicontazione, di denuncia di nuova opera, sgombero, esecuzioni, accesso agli atti, le misure cautelari e le altre azioni relative all'universo contenzioso civile e alla vita della società, dei suoi soci e delle persone fisiche.

Costituzione e strutturazione di società, associazioni e fondazioni, organizzazione della società civile di interesse pubblico - OSCIP, ottenimento di permessi e licenze per società che operano nel paese, questioni relative all’arrivo di soci stranieri in Brasile, visti e regolarizzazione della permanenza per assunzione di incarichi di direzione e amministrazione di società nazionali, ristrutturazioni aziendali, acquisizioni di partecipazioni societarie e trasferimenti di attivi, fusioni, incorporazioni e scissioni, società individuale a responsabilità limitata - EIRELI, joint venture e alleanze strategiche, consulenza nella redazione dei verbali, atti costitutivi, statuti sociali, modifiche contrattuali o statutarie, patti di azionisti e soci, regolamenti e regolamenti amministrativi interni, codici etici, procure e gli altri documenti societari di routine.

Pianificazione societaria e tributaria delle questioni giornaliere delle società e derivante dall'acquisizione di società, fusioni, incorporazioni e scissioni, joint venture, tasse, pagamenti rateali e incentivi simili, consultazioni formali di interpretazione della normativa tributaria agli organi competenti, richiesta di rateizzazione di processi in fase di esecuzione di sentenza o in ambito amministrativo, difesa amministrativa e giudiziaria in accertamenti fiscali per i contribuenti persone fisiche o giuridiche, difese in procedure esecutive fiscali, monitoraggio di procedure amministrative presso l'INSS, presso la Segreteria dell’Agenzia delle Entrate Federale e presso la Procura Generale del Tesoro Nazionale, interposizione di Mandato di accertamento tributario contro la sospensione del rilascio di fattura elettronica, azione giudiziaria o amministrativa in difesa del cliente contro la mancata conformità al SIMPLES.

Progettazione, strutturazione, negoziazione e implementazione di transazioni di compravendita, investimento, permuta, combinazione di partecipazioni societarie, acquisizione di società, acquisto di attivi e altre forme di organizzazione societaria, consulenza su due diligence, analisi, la strutturazione e elaborazione dei documenti per riorganizzazione societaria (fusione, scissione, incorporazione), consulenza a società straniere interessate nella realizzazione di investimenti nel paese, redazione e negoziazione di patti sociali e di accordi tra azionisti, regole e principi di corporate governance, elaborazione e negoziazione di accordi di investimento, elaborazione e revisione di documenti preparatori per le operazioni di fusione e acquisizione, come i contratti, atti societari, protocolli d'intesa e protocolli d'intesa e memorandum ("ME" o "MOU"), e preparazione di società alla vendita.

Contratti immobiliari relativi a immobili urbani (locazione, comodato, permuta, costruzione civile, istituzione di diritto di superficie, contratti di lavoro, amministrazione e gestione, servitù, usufrutto); a immobili rurali (leasing e share lease, istituzione di diritto di superficie, contratti agrari, garanzie rurali - pegno agricolo, ipoteca di immobile rurale), acquisto e vendita di beni mobili e immobili, di garanzia reale (ipoteche, pegni) e fideiussoria (garanzie), indagini immobiliari per analizzare la situazione legale dell’immobile e tutta la catena di proprietà coinvolta; strutturazione di investimenti esteri nel settore immobiliare: Investimenti diretti, Società Special Purpose, fondo immobiliare di investimento e Fondo di Investimento in partecipazione; partecipazione attiva alle fusioni e acquisizioni legate agli aspetti immobiliari di tali operazioni.

Azione in difesa e rappresentanza delle persone giuridiche e fisiche legate alle persone giuridiche nell’ambito penale, quali indagini di polizia o processi penali derivanti dalle accuse di evasione fiscale, incidenti di lavoro, i crimini contro l'ambiente, i crimini contro l'economia, crimine contro i diritti dei consumatori, crimine contro l'onore, reato di violazione del diritto d'autore e di marchi e brevetti, crimine di concorrenza sleale, crimine di bancarotta, reato contro la sicurezza sociale e l'organizzazione del lavoro, l'orientamento e la tutela degli interessi vittime di frodi aziendali commesse da terzi o dipendenti; lo sviluppo o l'adattamento di programmi di prevenzione contro la corruzione sotto il Foreign Corrupt Practices Act - FCPA e altre norme anti-corruzione internazionale.

La rappresentanza dei clienti in ambito giudiziale e stragiudiziale (amministrativa) in relazioni di parentela, matrimonio (regime patrimoniale e accordo prematrimoniale e cambiamento di regime patrimoniale in corso di matrimonio), unione stabile (il riconoscimento e la scioglimento), annullamento del matrimonio, misura cautelare di inventario “pacifico”dei beni, misura cautelare di separazione di fatto, divorzio, divisione dei beni, alimenti (richiesta di sovvenzione, revisione, esonero e esecuzione), custodia e regolamentazione di visita di minori, donazione, interdizione, tutela e curatela, successione, testamento , inventario e inventario “pacifico”, suddivisione di beni non inclusi nell'inventario o nell’inventario “pacifico”, filiazione (adozione e indagine di paternità), alienazione genitoriale, il riconoscimento di unione omosessuale, cessione dei diritti ereditari, pianificazione (tributaria e) successoria e donazioni in vita.

“IL FINE DELLA LEGGE NON E’ ABOLIRE O LIMITARE,
MA PRESERVARE E AMPLIARE LA LIBERTA”

John Locke

Azioni extragiudiziali e giudiziali di recupero, acquisizione e vendita di società in difficoltà finanziaria, recupero di crediti nei confronti di società in processo di recupero o di fallimento, esecuzioni contro il debitore principale e co-debitori e altre misure giudiziarie per la conservazione del credito , assistenza nel rinnovo o rinegoziazione di prestiti bancari e nella composizione del finanziamento, ricomposizione del debito, riorganizzazione societaria di società in dissesto finanziario - aspetti bancari, contrattuali, contingenze procedurali, societarie, tributarie, previdenziali, del lavoro e di responsabilità civile.

Nell'ambito della prevenzione delle violazioni del diritto dei consumatori, operiamo nella composizione e revisione dei contratti che coinvolgono i diritti dei consumatori, questioni di responsabilità, le pratiche commerciali e tutela contrattuale, in procedure amministrative, anche la stipula dell’Atto di Adeguamento di Condotta (TAC) innanzi agli organi di difesa dei consumatori; in ambito litigioso, lo studio legale opera nella presentazione di azioni e monitoraggio processuale presso il PROCON, Dipartimento dei Consumatori, Pubblico Ministero, Tribunali Speciali Civili e Autorità Giudiziarie Comuni.

Consulenza su tutte le procedure di registrazione e protezione di marchi, brevetti, software, diritti d'autore, nome di dominio, il design industriale e di indicazione geografica, monitoraggio in Brasile e all'estero di questi registri; elaborazione, analisi, negoziazione e annotazione dei contratti che coinvolgono licenza e cessione dei diritti di proprietà intellettuale, contratti che riguardano licenza di uso di immagine, nome e contenuti; contratti di distribuzione, franchising e trasferimento di tecnologia; azioni legali, civili e penali; in processi amministrativi nell’ambito dell’ INPI, CONAR e ANVISA.

Contratti di sponsorizzazione, di licenza di marchio e naming rights, contratti di licenza di immagine, stesura di contratti di lavoro per gli atleti e di co-gestione; assistenza agli sponsor sportivi e a società interessate ad investire nel segmento sportivo e agli sponsorizzati; controversie relative ai contratti di lavoro e/o al diritti di uso di immagine di atleti; nel settore dell’intrattenimento, lo studio legale opera nella protezione della proprietà intellettuale e distribuzione della commercializzazione di contenuti, sfruttamento di diritti dei midia, organizzazione di eventi e di risoluzione di controversie.

Presentazione o difesa di eventuali impugnazioni, ricorsi e altre misure giudiziarie; domande di registro di candidature, monitoraggio di azioni che coinvolgono partiti politici, politici e candidati; difesa di questioni relative a donazioni elettorali; difese orali e udienze con giudici e ministri responsabili per giudizi nei Tribunali Regionali e presso la Suprema Corte Elettorale, altri procedimenti che riguardino il processo elettorale; assistenza a clienti per quanto riguarda le norme di finanziamento di campagna elettorale e le questioni relative alla registrazione dei partiti politici.

Strutture di esportazione e di importazione (regimi doganali) - contratti, applicazione della legislazione doganale, accordi commerciali e barriere, regole di origine, controllo delle esportazioni e trade compliance, licensing di importazione, classificazione fiscale, valutazione doganale, ex tariffario, richieste di modifica tariffaria della tariffa permanente e provvisoria della Tariffa Esterna Comune (CET), trattati internazionali (bilaterali, regionali o multilaterali) negoziati commerciali internazionali in generale coinvolgenti le diverse giurisdizioni, monitoraggio del lavoro dei trasportatori, agenti e spedizionieri doganali assunti.

Revisione e elaborazione di apolice, revisione e assistenza nel negoziare accordi operativi tra assicuratrici e titolari di canali di commercializzazione (agenti immobiliari, reti al dettaglio e concessionarie di pubblica utilità) in tutti i rami di assicurazione e di riassicurazione, compresi i piani sanitari e pensionistici privati, supporto all'interpretazione e il rispetto delle norme emanate dalla Soprintendenza delle Assicurazioni Private - SUSEP e dall'Agenzia Nazionale di Sanità - ANS, regolazione dei sinistri, elaborazione delle difese e monitoraggio dei procedimenti amministrativi innanzi a SUSEP e ANS.

Rappresentanza in procedure arbitrali, rappresentanza in giudizio in misure volte a garantire l'efficacia del procedimento arbitrale, rappresentanza in procedimenti di mediazione, elaborazione e revisione di clausole compromissorie e di risoluzione di controversie in tutti i tipi di contratto, tenendo conto della legislazione e della struttura più efficiente per la soluzione del conflitto, la validità delle clausole, i processi e le decisioni arbitrali per ratifica ed esecuzione in Brasile, esecuzione di sentenze arbitrali domestiche, proposizione di misure preparatorie e urgenti, procedimenti di annullamento di sentenze arbitrali.

Bandi di concorso e appalti, assistenza nei processi relativi a bandi di concorso in generale (concorrenza, gara, selezione, invito), contenzioso amministrativo e giudiziario (ricerche, impugnazioni e ricorsi), l'ottenimento e regolarizzazione delle licenze e altre autorizzazioni amministrative presso organi pubblici e agenzie di regolamentazione, certificazione di prodotti e apparecchiature, regolarizzazione di stabilimenti, assistenza per l'ottenimento e la regolarizzazione delle licenze e registrazioni presso enti pubblici e agenzie di regolamentazione in generale, registrazione e certificazione di prodotti e attrezzature innanzi a INMETRO, ANVISA, ANP e Polizia Federale.

Monitoraggio di progetti di legge, legislazione in materia, commissioni parlamentari, notizie e tendenze, elaborazione di strategie di persuasione presso coloro che decidono, consulenza nel contatto con le autorità e funzionari pubblici, supporto nel difendere gli interessi dei clienti nei confronti del governo in tutti i suoi organi, ministeri e le agenzie di regolamentazione, valutazione delle opportunità di relazione con il governo e elaborazione di piano strategico, preventivo e propositivo, e sua implementazione.

A partir do dia 4 de janeiro de 2012 entrará em vigor a Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas. Trata-se de uma certidão diferenciada daquela já existente na Justiça. Esta nova certidão aponta as empresas que não estão cumprindo com o pagamento dos processos trabalhistas em fase de execução (após a sentença transitada em julgado), ou […]

Leia Mais

A partir do dia 4 de janeiro de 2012 entrará em vigor a Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas.

Trata-se de uma certidão diferenciada daquela já existente na Justiça. Esta nova certidão aponta as empresas que não estão cumprindo com o pagamento dos processos trabalhistas em fase de execução (após a sentença transitada em julgado), ou seja, que estão em débito perante a Justiça do Trabalho.

A certidão existente atualmente aponta as empresas que estão apenas respondendo a uma reclamatória trabalhista. Isso não quer dizer que elas estejam inadimplentes ou tenham algum desabono.

A Certidão Negativa de Débitos Trabalhista (nova certidão), aponta as empresas inadimplentes e será obrigatória para as pessoas jurídicas que desejarem contratar com a Administração Pública ou participar de programas de incentivos fiscais.

Mesmo para as empresas que não realizam negócios com o setor público, a certidão terá grande importância, pois será necessária sua apresentação nos casos de alienação ou oneração de um bem imóvel, redução de capital social, cisão total ou parcial, transformação ou extinção, e transferência de cotas de sociedades de responsabilidade limitada.

A Presidente Dilma Rousseff sancionou a Lei 12.619 de 2012 que regulamenta a profissão de motorista profissional, alterando inclusive a Consolidação das Leis do Trabalho. Encaminhamos abaixo o inteiro teor da lei para conhecimento de nossos clientes. LEI Nº 12.619, 30 DE ABRIL DE 2012 Publicada no DOU de 02/05/2012 Dispõe sobre o exercício da […]

Leia Mais

A Presidente Dilma Rousseff sancionou a Lei 12.619 de 2012 que regulamenta a profissão de motorista profissional, alterando inclusive a Consolidação das Leis do Trabalho.

Encaminhamos abaixo o inteiro teor da lei para conhecimento de nossos clientes.

LEI Nº 12.619, 30 DE ABRIL DE 2012

Publicada no DOU de 02/05/2012

Dispõe sobre o exercício da profissão de motorista; altera a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e as Leis nºs 9.503, de 23 de setembro de 1997, 10.233, de 5 de junho de 2001, 11.079, de 30 de dezembro de 2004, e 12.023, de 27 de agosto de 2009, para regular e disciplinar a jornada de trabalho e o tempo de direção do motorista profissional; e dá outras providências.

A PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º É livre o exercício da profissão de motorista profissional, atendidas as condições e qualificações profissionais estabelecidas nesta Lei.

Parágrafo único. Integram a categoria profissional de que trata esta Lei os motoristas profissionais de veículos automotores cuja condução exija formação profissional e que exerçam a atividade mediante vínculo empregatício, nas seguintes atividades ou categorias econômicas:

I – transporte rodoviário de passageiros;

II – transporte rodoviário de cargas;

III – (VETADO);

IV – (VETADO).

Art. 2º São direitos dos motoristas profissionais, além daqueles previstos no Capítulo II do Título II e no Capítulo II do Título VIII da Constituição Federal:

I – ter acesso gratuito a programas de formação e aperfeiçoamento profissional, em cooperação com o poder público;

II – contar, por intermédio do Sistema Único de Saúde – SUS, com atendimento profilático, terapêutico e reabilitador, especialmente em relação às enfermidades que mais os acometam, consoante levantamento oficial, respeitado o disposto no art. 162 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943;

III – não responder perante o empregador por prejuízo patrimonial decorrente da ação de terceiro, ressalvado o dolo ou a desídia do motorista, nesses casos mediante comprovação, no cumprimento de suas funções;

IV – receber proteção do Estado contra ações criminosas que lhes sejam dirigidas no efetivo exercício da profissão;

V – jornada de trabalho e tempo de direção controlados de maneira fidedigna pelo empregador, que poderá valer-se de anotação em diário de bordo, papeleta ou ficha de trabalho externo, nos termos do § 3º do art. 74 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, ou de meios eletrônicos idôneos instalados nos veículos, a critério do empregador.

Parágrafo único. Aos profissionais motoristas empregados referidos nesta Lei é assegurado o benefício de seguro obrigatório, custeado pelo empregador, destinado à cobertura dos riscos pessoais inerentes às suas atividades, no valor mínimo correspondente a 10 (dez) vezes o piso salarial de sua categoria ou em valor superior fixado em convenção ou acordo coletivo de trabalho.

Art. 3º O Capítulo I do Título III da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, passa a vigorar acrescido da seguinte Seção IV-A:

TÍTULO III

CAPÍTULO I

Seção IV-A Do Serviço do Motorista Profissional

(Seção incluída pela Lei nº 12.619/2012 – DOU 02/05/2012)

Art. 235-A. Ao serviço executado por motorista profissional aplicam-se os preceitos especiais desta Seção.

Art. 235-B. São deveres do motorista profissional:

I – estar atento às condições de segurança do veículo;

II – conduzir o veículo com perícia, prudência, zelo e com observância aos princípios de direção defensiva;

III – respeitar a legislação de trânsito e, em especial, as normas relativas ao tempo de direção e de descanso;

IV – zelar pela carga transportada e pelo veículo;

V – colocar-se à disposição dos órgãos públicos de fiscalização na via pública;

VI – (VETADO);

VII – submeter-se a teste e a programa de controle de uso de droga e de bebida alcoólica, instituído pelo empregador, com ampla ciência do empregado.

Parágrafo único. A inobservância do disposto no inciso VI e a recusa do empregado em submeter-se ao teste e ao programa de controle de uso de droga e de bebida alcoólica previstos no inciso VII serão consideradas infração disciplinar, passível de penalização nos termos da lei.

Art. 235-C. A jornada diária de trabalho do motorista profissional será a estabelecida na Constituição Federal ou mediante instrumentos de acordos ou convenção coletiva de trabalho.

§ 1º Admite-se a prorrogação da jornada de trabalho por até 2 (duas) horas extraordinárias.

§ 2º Será considerado como trabalho efetivo o tempo que o motorista estiver à disposição do empregador, excluídos os intervalos para refeição, repouso, espera e descanso.

§ 3º Será assegurado ao motorista profissional intervalo mínimo de 1 (uma) hora para refeição, além de intervalo de repouso diário de 11 (onze) horas a cada 24 (vinte e quatro) horas e descanso semanal de 35 (trinta e cinco) horas.

§ 4º As horas consideradas extraordinárias serão pagas com acréscimo estabelecido na Constituição Federal ou mediante instrumentos de acordos ou convenção coletiva de trabalho.

§ 5º À hora de trabalho noturno aplica-se o disposto no art. 73 desta Consolidação.

§ 6º O excesso de horas de trabalho realizado em um dia poderá ser compensado, pela correspondente diminuição em outro dia, se houver previsão em instrumentos de natureza coletiva, observadas as disposições previstas nesta Consolidação.

§ 7º ( VETADO).

§ 8º São consideradas tempo de espera as horas que excederem à jornada normal de trabalho do motorista de transporte rodoviário de cargas que ficar aguardando para carga ou descarga do veículo no embarcador ou destinatário ou para fiscalização da mercadoria transportada em barreiras fiscais ou alfandegárias, não sendo computadas como horas extraordinárias.

§ 9º As horas relativas ao período do tempo de espera serão indenizadas com base no salário-hora normal acrescido de 30% (trinta por cento).

Art. 235-D. Nas viagens de longa distância, assim consideradas aquelas em que o motorista profissional permanece fora da base da empresa, matriz ou filial e de sua residência por mais de 24 (vinte e quatro) horas, serão observados:

I – intervalo mínimo de 30 (trinta) minutos para descanso a cada 4 (quatro) horas de tempo ininterrupto de direção, podendo ser fracionados o tempo de direção e o de intervalo de descanso, desde que não completadas as 4 (quatro) horas ininterruptas de direção;

II – intervalo mínimo de 1 (uma) hora para refeição, podendo coincidir ou não com o intervalo de descanso do inciso I;

III – repouso diário do motorista obrigatoriamente com o veículo estacionado, podendo ser feito em cabine leito do veículo ou em alojamento do empregador, do contratante do transporte, do embarcador ou do destinatário ou em hotel, ressalvada a hipótese da direção em dupla de motoristas prevista no § 6º do art. 235-E.

Art. 235-E. Ao transporte rodoviário de cargas em longa distância, além do previsto no art. 235-D, serão aplicadas regras conforme a especificidade da operação de transporte realizada.

§ 1º Nas viagens com duração superior a 1 (uma) semana, o descanso semanal será de 36 (trinta e seis) horas por semana trabalhada ou fração semanal trabalhada, e seu gozo ocorrerá no retorno do motorista à base (matriz ou filial) ou em seu domicílio, salvo se a empresa oferecer condições adequadas para o efetivo gozo do referido descanso.

§ 2º ( VETADO).

§ 3º É permitido o fracionamento do descanso semanal em 30 (trinta) horas mais 6 (seis) horas a serem cumpridas na mesma semana e em continuidade de um período de repouso diário.

§ 4º O motorista fora da base da empresa que ficar com o veículo parado por tempo superior à jornada normal de trabalho fica dispensado do serviço, exceto se for exigida permanência junto ao veículo, hipótese em que o tempo excedente à jornada será considerado de espera.

§ 5º Nas viagens de longa distância e duração, nas operações de carga ou descarga e nas fiscalizações em barreiras fiscais ou aduaneira de fronteira, o tempo parado que exceder a jornada normal será computado como tempo de espera e será indenizado na forma do § 9º do art. 235-C.

§ 6º Nos casos em que o empregador adotar revezamento de motoristas trabalhando em dupla no mesmo veículo, o tempo que exceder a jornada normal de trabalho em que o motorista estiver em repouso no veículo em movimento será considerado tempo de reserva e será remunerado na razão de 30% (trinta por cento) da hora normal.

§ 7º É garantido ao motorista que trabalha em regime de revezamento repouso diário mínimo de 6 (seis) horas consecutivas fora do veículo em alojamento externo ou, se na cabine leito, com o veículo estacionado.

§ 8º ( VETADO).

§ 9º Em caso de força maior, devidamente comprovado, a duração da jornada de trabalho do motorista profissional poderá ser elevada pelo tempo necessário para sair da situação extraordinária e chegar a um local seguro ou ao seu destino.

§ 10. Não será considerado como jornada de trabalho nem ensejará o pagamento de qualquer remuneração o período em que o motorista ou o ajudante ficarem espontaneamente no veículo usufruindo do intervalo de repouso diário ou durante o gozo de seus intervalos intrajornadas.

§ 11. Nos casos em que o motorista tenha que acompanhar o veículo transportado por qualquer meio onde ele siga embarcado, e que a embarcação disponha de alojamento para gozo do intervalo de repouso diário previsto no § 3º do art. 235-C, esse tempo não será considerado como jornada de trabalho, a não ser o tempo restante, que será considerado de espera.

§ 12. Aplica-se o disposto no § 6º deste artigo ao transporte de passageiros de longa distância em regime de revezamento.

Art. 235-F. Convenção e acordo coletivo poderão prever jornada especial de 12 (doze) horas de trabalho por 36 (trinta e seis) horas de descanso para o trabalho do motorista, em razão da especificidade do transporte, de sazonalidade ou de característica que o justifique.

Art. 235-G. É proibida a remuneração do motorista em função da distância percorrida, do tempo de viagem e/ou da natureza e quantidade de produtos transportados, inclusive mediante oferta de comissão ou qualquer outro tipo de vantagem, se essa remuneração ou comissionamento comprometer a segurança rodoviária ou da coletividade ou possibilitar violação das normas da presente legislação.

Art. 235-H. Outras condições específicas de trabalho do motorista profissional, desde que não prejudiciais à saúde e à segurança do trabalhador, incluindo jornadas especiais, remuneração, benefícios, atividades acessórias e demais elementos integrantes da relação de emprego, poderão ser previstas em convenções e acordos coletivos de trabalho, observadas as demais disposições desta Consolidação.

Art. 4º O art. 71 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, passa a vigorar acrescido do seguinte § 5º:

Art. 71.

§ 5º Os intervalos expressos no caput e no § 1º poderão ser fracionados quando compreendidos entre o término da primeira hora trabalhada e o início da última hora trabalhada, desde que previsto em convenção ou acordo coletivo de trabalho, ante a natureza do serviço e em virtude das condições especiais do trabalho a que são submetidos estritamente os motoristas, cobradores, fiscalização de campo e afins nos serviços de operação de veículos rodoviários, empregados no setor de transporte coletivo de passageiros, mantida a mesma remuneração e concedidos intervalos para descanso menores e fracionados ao final de cada viagem, não descontados da jornada.

Art. 5º A Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 – Código de Trânsito Brasileiro, passa a vigorar acrescida do seguinte Capítulo III-A:

CAPÍTULO III-A DA CONDUÇÃO DE VEÍCULOS POR MOTORISTAS PROFISSIONAIS

Art. 67-A. É vedado ao motorista profissional, no exercício de sua profissão e na condução de veículo mencionado no inciso II do art. 105 deste Código, dirigir por mais de 4 (quatro) horas ininterruptas.

§ 1º Será observado intervalo mínimo de 30 (trinta) minutos para descanso a cada 4 (quatro) horas ininterruptas na condução de veículo referido no caput, sendo facultado o fracionamento do tempo de direção e do intervalo de descanso, desde que não completadas 4 (quatro) horas contínuas no exercício da condução.

§ 2º Em situações excepcionais de inobservância justificada do tempo de direção estabelecido no caput e desde que não comprometa a segurança rodoviária, o tempo de direção poderá ser prorrogado por até 1 (uma) hora, de modo a permitir que o condutor, o veículo e sua carga cheguem a lugar que ofereça a segurança e o atendimento demandados.

§ 3º O condutor é obrigado a, dentro do período de 24 (vinte e quatro) horas, observar um intervalo de, no mínimo, 11 (onze) horas de descanso, podendo ser fracionado em 9 (nove) horas mais 2 (duas), no mesmo dia.

§ 4º Entende-se como tempo de direção ou de condução de veículo apenas o período em que o condutor estiver efetivamente ao volante de um veículo em curso entre a origem e o seu destino, respeitado o disposto no § 1º, sendo-lhe facultado descansar no interior do próprio veículo, desde que este seja dotado de locais apropriados para a natureza e a duração do descanso exigido.

§ 5º O condutor somente iniciará viagem com duração maior que 1 (um) dia, isto é, 24 (vinte e quatro) horas após o cumprimento integral do intervalo de descanso previsto no § 3º.

§ 6º Entende-se como início de viagem, para os fins do disposto no § 5º, a partida do condutor logo após o carregamento do veículo, considerando-se como continuação da viagem as partidas nos dias subsequentes até o destino.

§ 7º Nenhum transportador de cargas ou de passageiros, embarcador, consignatário de cargas, operador de terminais de carga, operador de transporte multimodal de cargas ou agente de cargas permitirá ou ordenará a qualquer motorista a seu serviço, ainda que subcontratado, que conduza veículo referido no caput sem a observância do disposto no § 5º.

§ 8º ( VETADO).

Art 67-B. (VETADO).

Art. 67-C. O motorista profissional na condição de condutor é responsável por controlar o tempo de condução estipulado no art. 67-A, com vistas na sua estrita observância.

Parágrafo único. O condutor do veículo responderá pela não observância dos períodos de descanso estabelecidos no art. 67-A, ficando sujeito às penalidades daí decorrentes, previstas neste Código.

Art. 67-D. (VETADO).

Art. 6º A Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 – Código de Trânsito Brasileiro, passa a vigorar com as seguintes alterações:

Art. 145.

Parágrafo único. A participação em curso especializado previsto no inciso IV independe da observância do disposto no inciso III.

Art. 230.

XXIII – em desacordo com as condições estabelecidas no art. 67-A, relativamente ao tempo de permanência do condutor ao volante e aos intervalos para descanso, quando se tratar de veículo de transporte de carga ou de passageiros:

Infração – grave;

Penalidade – multa;

Medida administrativa – retenção do veículo para cumprimento do tempo de descanso aplicável;

XXIV – (VETADO).

Art. 259.

§ 3º (VETADO).

Art. 261.

§ 3º ( VETADO).

§ 4º (VETADO).

Art. 310-A. (VETADO).

Art. 7º ( VETADO).

Art. 8º ( VETADO).

Art. 9º As condições sanitárias e de conforto nos locais de espera dos motoristas de transporte de cargas em pátios do transportador de carga, embarcador, consignatário de cargas, operador de terminais de carga, operador intermodal de cargas ou agente de cargas, aduanas, portos marítimos, fluviais e secos e locais para repouso e descanso, para os motoristas de transporte de passageiros em rodoviárias, pontos de parada, de apoio, alojamentos, refeitórios das empresas ou de terceiros terão que obedecer ao disposto nas Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego, dentre outras.

Art. 10. (VETADO).

Art. 11. (VETADO).

Art. 12. (VETADO).

Brasília, 30 de abril de 2012; 191º da Independência e 124º da República.

Apresentamos abaixo o relatório emitido pelo Sedersp acerca da reunião havida com o Denatran em 17.07.2012, na qual este Sindicato Patronal busca obter uma flexibilização da fiscalização que terá início em agosto, diante das novas exigências para exercício da profissão motofrete. Esclarecemos que, até o momento, não dispomos de informação oficial emitida pelo Denatran, dispondo […]

Leia Mais

Apresentamos abaixo o relatório emitido pelo Sedersp acerca da reunião havida com o Denatran em 17.07.2012, na qual este Sindicato Patronal busca obter uma flexibilização da fiscalização que terá início em agosto, diante das novas exigências para exercício da profissão motofrete.

Esclarecemos que, até o momento, não dispomos de informação oficial emitida pelo Denatran, dispondo sobre o possível acolhimento dos pedidos formulados pelo Sedersp, motivo pelo qual orientamos nossos clientes a continuarem exigindo que seus motociclistas procedam a regularização.

 

SEDERSP

Ontem, dia 17 de Julho, estiveram reunidos o Sr. Fernando Aparecido Souza, presidente do SEDERSP, a Sra Maria Cristina Hoffmann coordenadora geral do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), juntamente com os representantes das instituições SERT (Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho), DETRAN.SP (Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo), Polícia Militar, SMT (Secretaria Municipal de Transportes), DTP (Departamento de Transportes Públicos), CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), SINDIMOTOSP, ABRACICLO, O Serviço Social do Transporte (SEST) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (SENAT) e o SETCESP.

Na reunião, que teve duração de 4 horas, discutiu-se uma forma de viabilizar a fiscalização que ocorrerá no dia 04 de Agosto, onde a Lei 12.009 e suas resoluções serão fiscalizadas. Visto que não há interesse por parte dos motoboys em se regularizarem, o próprio governo e seus órgãos públicos não tem como atender a demanda dos cursos de 30 horas (o SestSenat tem vagas para 1.700 alunos por mês), a prefeitura de São Paulo também não tem como atender a demanda por licenças e cursos (a CET tem vagas para 180 alunos por mês), as empresas tem dificuldade em contratar mão de obra especializada (com curso e licença) e não investem em veículos e equipamentos.

A postura do Denatran é não adiar mais o início da fiscalização, segundo a Sra Maria Cristina Hoffmann, não podemos nos omitir diante de nossas responsabilidades, pois só no Estado de São Paulo já foram capacitados, até ontem, 9.800 profissionais e São Paulo esta sendo exemplo para todo o Brasil. Se os outros estados não estão fazendo a sua parte, terão que se responsabilizar pelos seus atos de incapacidade administrativa e dar a devida resposta a categoria e a sociedade.

Diante desse cenário o Sr. Fernando Aparecido Souza, em nome do SEDERSP, solicitou uma flexibilidade na fiscalização. A proposta consiste em dividir os itens que serão fiscalizados em duas etapas:

1° Etapa) Fiscalização do veículo e seus equipamentos;

2° Etapa) O condutor e suas licenças. Em um primeiro momento aceitar o protocolo de inscrição no curso de 30 horas, ou fiscalizar conforme o último numero da CNH, por exemplo final 1e 2 devem estar de acordo com a lei em Janeiro de 2013, 3 e 4 em Fevereiro e assim sucessivamente.

O Sr. Denis, representante do Setcesp, sugeriu que a liberação das placas vermelhas para motocicletas fossem feitas pelo Detran, não pelo DTP, assim o processo ficaria mais rápido e menos burocrático. Coronel Milton do DTP ficou de viabilizar e estudar a questão junto ao Detran e ao departamento jurídico.

Estas foram algumas sugestões e solicitações feitas ao Denatran o órgão máximo que rege as leis de trânsito do país.

O SEDERSP junto com sua diretoria está atendo a todas as questões referente ao moto-frete, não mediremos esforços e trabalharemos em conjunto para viabilizar a fiscalização e consequentemente a regulamentação do setor, que acreditamos ser essencial para o futuro de nossas empresas.

O SEDERSP está de cara nova, nova diretoria, novos valores, novos objetivos e a missão de representar as empresas de motofrete com trabalho e transparência.

A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados deve aprovar o projeto de lei que reabre o prazo para adesão ao Refis da Crise, o programa de parcelamento de tributos atrasados criado em 2009 pelo governo Lula. Há duas propostas em análise. A primeira prevê a reabertura do prazo de adesão para todos […]

Leia Mais

A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados deve aprovar o projeto de lei que reabre o prazo para adesão ao Refis da Crise, o programa de parcelamento de tributos atrasados criado em 2009 pelo governo Lula.

Há duas propostas em análise.

A primeira prevê a reabertura do prazo de adesão para todos os contribuintes, pessoas físicas e jurídicas.

A segunda reabre o prazo só para aqueles que apresentaram o pedido de parcelamento, mas perderam a data para consolidação dos débitos.

Lembramos, que somente os débitos vencidos até novembro de 2008 podem entrar nesse Refis.

Clique aqui para mais News

“IL MODO MIGLIORE PER ESERCITARE L’IMMAGINAZIONE È STUDIARE DIRITTO. NESSUN POETA HA MAI INTERPRETATO LA NATURA CON TANTA LIBERTÀ QUANTO UN GIURISTA CHE INTERPRETA LA VERITÀ.”

Jean Giraudox

Clique aqui para Clippings

Lo studio legale Trevisan Merheje Advogados è interessato all’inserimento di nuove figure nel proprio organico e mantiene attiva la propria rete di contatti per coloro che, identificatisi con il profilo dello studio legale e interessati alle sue aree di attività, intendano inviare il proprio curriculum.

Valutiamo tutte le possibilità di collaborazione che ci vengano sottoposte, conservando il curriculum nel nostro database per un eventuale colloquio.

Invii il suo curriculum all'indirizzo e-mail: trabalheconosco@trevisanadvogados.adv.br
+55 11 3106.1010 | contato@trevisanadvogados.adv.br

La nostra Fan Page

Praça João Mendes 52, 3º andar - Centro 01501-000 | São Paulo, Brasile
Al. Lorena 427, 11º andar - Jardim Paulista 01424-000 | São Paulo, Brasile
Visualizzazione ingrandita della mappa