Specializing in Company Law, Trevisan Merheje Advogados gives legal counseling to companies, as well as to private individuals, both native and foreign, in the areas of corporate law, tax law, real estate law, labor law, social security law, civil law, family law, succession law, and criminal law. In its organization, it has the capacity to completely take over the daily business of their client’s companies, as well as to take over their legal cases.

The Office is responsible for cases involving every area of Law, which demands multidisciplinary action, either regarding the areas of their clients’ pursuits, or regarding the matters pertaining to these companies’ partners, that is, regarding the private individual’s interests and needs for legal counseling.

Based in São Paulo, it has corresponding partners all over Brazil and abroad, with the aim of offering its clients a thorough and integrated service. Its associates, collaborators, and consultants are fluent in English, Spanish and Italian, ready to negotiate and write in these languages. Its partners were educated in important teaching institutions and have international professional experience, often practicing in different jurisdictions.

"THE FORCE OF LAW OUGHT TO
OVERCOME THE LAW OF FORCE."

Rui Barbosa

Sponsorship of defense, active and passive, in labor suits and in special lawsuits, working hours, admission and dismissal of workers, structure of salary and benefits, HR routines, bank of hours, payroll, incentive plan (participation in profits, bonus, compensation policies, benefits), Internal Regulations, notice of violation, conduct adjustment agreement (TAC), collective dismissal, round table negotiations before the Regional Labor Officer (DRT), meetings with the representatives of the Ministry of Labor, the Prosecutor’s Office, and Unions to negotiate collective agreements or disputes, union relations, analysis of labor conventions and collective agreements, restructuring and downsizing of workers during mergers and acquisitions, extinction of establishments, closing of activities, representation in arbitration boards.

Declaratory judgment actions over rights, actions for annulment of tax or social security debts, defenses in tax executions proposed by the Social Security (PS), by the Brazilian Federal Revenue Service (RFB), and by Caixa Econômica Federal (Brazilian Federal Savings and Loans Bank), recovery of social contributions unduly charged by the PS, the RFB and other institutions and by the Government Severance Indemnity Fund for Employees (FGTS), defenses in suits filed by the PS or the RFB resulting from control, consultation with the PS and the RFB over legal issues pertaining to the incidence of social security contributions, follow up on social security suits filed by the RFB, analysis of the Environmental Risk Prevention Program (PPRA) and the Program for Medical Control and Occupational Health (PCMSO) for the management and reduction of contingencies in the matter of Accident Prevention Factor (FAP), the Technical Epidemiological Nexus (NTFP), Compensation for Work Accident (SAT).

Analysis of different contracts, daily assistance to individuals or legal entities to reduce contingencies via an analysis of strategies that apply to cases, chances of loss, value at stake, risks and opportunities that should be considered, revision, preparation and negotiation of both commercial and civil contracts for the accomplishment of businesses and activities domestically and internationally: financing contracts, mutual agreements, bank loans, loans, leasing, transportation, purchase and sales, building contract, incorporation, deposit, commercial representation, distribution, bail, constitution of a reserve of ownership, expense sharing between colligated companies, services provision at large, assignment, transference of technology, partnership, contract termination, and other kinds of legal instruments that bind the parts, or that predict the end of their legal relation.

Representation of clients in different kinds of litigation, either with regard to the private individual or the legal entity, the latter especially in the case of company litigations, in particular involving contract, corporate, tributary, credit recovery, bank, intellectual property, consumer relations, criminal, real estate, civil liability and insurance issues, and demands to the public administration but also services in contracts with arbitration and mediation clauses. Thus, the standard suits the Office takes over on behalf of their clients involve collection actions, enforcement actions, company dissolution actions, civil liability actions, repossession suits, deposit, payment consignment, rendering of accounts, denouncement of a new construction, eviction, legal executions, request for production of documents, provisional remedy and other actions pertaining to the civil law domain and to the day to day of companies, their partners and of individuals.

Organization and structuring of corporations, partnerships and foundations, civil societies of public interest (OSCIP); procurement of authorizations and licenses for companies to operate in the country; issues regarding the arrival of foreign partners in Brazil, visas and regularization of visa status for managers and administrators acting in national companies; restructuring of corporations, acquisition of corporate participation, asset transfer, mergers, incorporations and divisions; limited-liability individual enterprise (EIRELI), joint ventures and strategic alliances; assistance to draft minutes, articles of incorporation, articles of organizations or amendments, shareholders and partners’ agreements, internal by-laws and regulations, codes of ethics, powers of attorney, and other corporate documents that are part of a company’s routine.

Corporate and tax planning of everyday operations of companies, due to acquisitions, mergers, incorporations, dissolution, joint ventures, fiscal incentive, installments and the like, formal consultation with the competent institutions on the subject of tax law interpretation, requests to divide suits being executed, or suits from the administrative domain, administrative and legal defenses in the case of additional tax assessment, for both legal entities and individuals, defenses in suits by fiscal executives, follow up on administrative procedures at the National Institute of Social Security (INSS), services at the Federal Revenue Service and at the National Treasury Attorney’s Office, filing a tax-related writ of security against the issuance of electronic invoice, legal or administrative services in defense of the client against their exclusion from the Simplified Taxation System.

Planning, structuring, negotiation, and implementation of sales and purchase transactions, investment, exchange, combination of corporate participation, acquisition of companies, purchase of assets and other corporate organizations, assistance in due diligence, analysis, structuring, and development of documents regarding corporate restructuring (merger, dissolution, and incorporation), guidance to foreign companies interested in making investments in the country, development and negotiation of partners’ agreements and stockholders’ agreements, defense of stockholders’ rights, rules and principles of corporate management, development and negotiation of investment agreements, development and revision of documents prior to merger and acquisition acts, such as contracts, corporate acts, protocol of intentions, memoranda of understanding (ME or MoU), and preparation of partnerships for sale.

Real estate contracts pertaining to urban properties (lease, loan for use agreement, exchange, civil construction, surface rights, building contract, administration and management agreement, servitude, usufruct); pertaining to rural properties (rental and partnership, surface rights, agricultural agreements, rural warranties - collateral and mortgage); sales contracts of movable and immovable goods; contracts of real warranties (mortgages, collateral) and of bail; real estate inspection, analysis the legal status of the property and all its chain of ownership; structuring of international investments in real estate: Direct Investment, Special Purpose Entity, Real Estate Investment Fund and Private Equity Investment Fund; active participation in merger and acquisition operations regarding the real estate aspects of such operations.

Acting in the defense and representation of legal entities and individuals connected to legal persons in the criminal domain, such as police inquiries or criminal suits originated from accusations of tax evasion, work accidents, crimes against the environment, crimes against the economy, crime against consumer law, crime against honor, breach of copyrights, or brands, or patents, unfair competition, bankruptcy, crime against social security and against the organization of labor, guidance and defense of the clients’ interests who have been victims of corporate fraud carried out by third parties or employees, development or adaptation of corruption prevention programs under the Foreign Corrupt Practices Act (FCPA) and other international, anticorruption norms.

Legal and extrajudicial (administrative) representation in cases of kinship, marriage (matrimonial property scheme, prenuptial agreement and changes in the property scheme in the course of the relation), stable union (recognition and dissolution), marriage annulment, provisional remedy to determine assets, provisional remedy for mensa and thoro separation, divorce, assets partition, alimony (request for concession, revision, exoneration, and execution), custody and regulation of visit to minors, donation, interdiction, tutelage and guardianship, succession, testament, inventory and catalogue, allotment of assets not included in the inventory or the catalogue, paternity (adoption and paternity investigation), parental divestment, recognition of same-sex union, concession of hereditary rights, succession (and tax) planning, and in-life donations.

“THE END OF LAW IS NOT TO ABOLISH OR RESTRAIN,
BUT TO PRESERVE AND ENLARGE FREEDOM.”

John Locke

Actions for extrajudicial and judicial recovery, acquisition, and sale of companies in financial difficulties, recovery of credit against of companies being recovered of filing for bankruptcy, executions against the main debtor and the joint obligor, and other judicial measures aiming to preserve the credit, guidance on the renewal or renegotiation of bank loans and on the structuring of financing, restructuring of debts, corporate reorganization of companies in financial crisis - covering the bank, contract, legal, corporate, tributary, social security, work, and civil liability aspects.

At the domain of preventing breaches to consumer rights, the Office acts in the restructuring and revision of contracts that involve consumer relations, in issues of liability, commercial practices and contract protection, in administrative procedures, including the signing of Conduct Adjustment Declarations (TAC) before the bodies for the defense of consumer rights, in the litigious domain, in the filing of suits and we follow up suits with the Department for Consumer Protection and Defense (PROCON), with Consumer Stations, with Special Civil Courts and with ordinary court systems.

Assistance in all procedures for the registration and protection of brands, patents, software, copyrights, domain name, industrial design, and geographical indication, follow up of these registrations in Brazil and abroad; development, analysis, negotiation, and annotation of contracts involving the license and assignment of intellectual property rights, contracts involving the licensed use of images, names, and contents; distribution, franchise, and transference of technology contracts, services in legal, civil, and criminal actions, services in administrative suits at the National Institute of Industrial Property (INPI), at the National Council of Self-Regulation in Advertisement (CONAR), and at the National Health Surveillance Agency (ANVISA).

Contracts for sponsors, for brand licensing and naming rights, for authorized use of image, drafting of work contract for athletes and co-management, assistance to sports’ sponsors and to companies interested in investing in sports and in the sponsored parts, litigation pertaining work contracts and/or right to use of images of athletes; in the entertainment sector, the Office acts in the protection of intellectual property and in the distribution and commercialization of contents, media exploitation rights, event organization, and conflict solving.

Filing or defense of impugnation suits, appeals, and other legal measures, requests for registration of candidates, follow up on actions that involve political parties, politicians, and candidates, defense of issues pertaining to campaign donation, oral cross-examination and conduction of audiences with associate judges and ministers responsible for decisions at the Regional Courts and at the Superior Electoral Court, other procedures that involve the election process, guidance to clients pertaining the rules for financing a campaign and issues pertaining the registration of political parties.

Export and import structures (customs regulations) - contracts, application of customs law, commercial agreements and barriers, rules of origin, export control and trade compliance, license of import, tax classification, customs valuation, claims of tariff exception, requests of permanent and temporary rate change for the Common External Tariff (TEC), international agreements (bilateral, regional, and multilateral), international commercial negotiations, generally involving different jurisdictions, follow up on the work of hired carriers, agents, and customs brokers.

Revision and development of policies, revision and help in negotiations of operational agreements between insurance companies and commercialization channels (brokers, retailers, and public service concessionaires) in all branches of insurance and reinsurance, including health plans and private pension, support for interpretation and compliance with the norms issued by the Superintendence of Private Insurances (SUSEP) and by the National Agency for Supplementary Health (ANS), services in loss adjustment, development of defenses and follow up on administrative suits at SUSEP and ANS.

Representation in arbitration procedures, representation before court in measures that aim to guarantee the effectiveness of the arbitration procedure, representation in mediation procedures, development and revision of arbitration clauses and of dispute resolutions in all kinds of contracts, taking into account the legislation and most efficacious way to solve the conflict, validity of arbitration clauses, suits, and decisions for ratification and execution in Brazil, enforcement of domestic arbitration awards, filing of preparatory and urgent measures, procedures for the annulment of arbitration awards.

Bidding and public contracts, assistance in bidding in general (competition, reverse auction, bid by price submission, bid by invitation), administrative and legal litigation (checkup, impugnation, and appeals), attainment and regularization of licenses and other administrative authorizations from public and regulatory agencies, certificate of products and equipments, regularization of establishments, assistance in the attainment and regularization of licenses and registers in public and regulatory agencies in general, registration and certificate of products and equipment from the National Institute of Metrology, Standardization, and Industrial Quality (INMETRO), the National Health Surveillance Agency (ANVISA), the National Petroleum Agency (ANP), and the Federal Police.

Follow up on law projects, relevant legislation, parliamentary commissions, news and tendencies, development of convincing strategies with decision makers, assistance in contacting public authorities and agencies, help in defending the interest of clients vis-a-vis the government in all its organs, ministries, and regulatory agencies, alignment of the opportunities of government relations with the company’s strategies, and development of a strategic, defensive, preventive, substantial plan, and its implementation.

A partir do dia 4 de janeiro de 2012 entrará em vigor a Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas. Trata-se de uma certidão diferenciada daquela já existente na Justiça. Esta nova certidão aponta as empresas que não estão cumprindo com o pagamento dos processos trabalhistas em fase de execução (após a sentença transitada em julgado), ou […]

Leia Mais

A partir do dia 4 de janeiro de 2012 entrará em vigor a Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas.

Trata-se de uma certidão diferenciada daquela já existente na Justiça. Esta nova certidão aponta as empresas que não estão cumprindo com o pagamento dos processos trabalhistas em fase de execução (após a sentença transitada em julgado), ou seja, que estão em débito perante a Justiça do Trabalho.

A certidão existente atualmente aponta as empresas que estão apenas respondendo a uma reclamatória trabalhista. Isso não quer dizer que elas estejam inadimplentes ou tenham algum desabono.

A Certidão Negativa de Débitos Trabalhista (nova certidão), aponta as empresas inadimplentes e será obrigatória para as pessoas jurídicas que desejarem contratar com a Administração Pública ou participar de programas de incentivos fiscais.

Mesmo para as empresas que não realizam negócios com o setor público, a certidão terá grande importância, pois será necessária sua apresentação nos casos de alienação ou oneração de um bem imóvel, redução de capital social, cisão total ou parcial, transformação ou extinção, e transferência de cotas de sociedades de responsabilidade limitada.

A Presidente Dilma Rousseff sancionou a Lei 12.619 de 2012 que regulamenta a profissão de motorista profissional, alterando inclusive a Consolidação das Leis do Trabalho. Encaminhamos abaixo o inteiro teor da lei para conhecimento de nossos clientes. LEI Nº 12.619, 30 DE ABRIL DE 2012 Publicada no DOU de 02/05/2012 Dispõe sobre o exercício da […]

Leia Mais

A Presidente Dilma Rousseff sancionou a Lei 12.619 de 2012 que regulamenta a profissão de motorista profissional, alterando inclusive a Consolidação das Leis do Trabalho.

Encaminhamos abaixo o inteiro teor da lei para conhecimento de nossos clientes.

LEI Nº 12.619, 30 DE ABRIL DE 2012

Publicada no DOU de 02/05/2012

Dispõe sobre o exercício da profissão de motorista; altera a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e as Leis nºs 9.503, de 23 de setembro de 1997, 10.233, de 5 de junho de 2001, 11.079, de 30 de dezembro de 2004, e 12.023, de 27 de agosto de 2009, para regular e disciplinar a jornada de trabalho e o tempo de direção do motorista profissional; e dá outras providências.

A PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º É livre o exercício da profissão de motorista profissional, atendidas as condições e qualificações profissionais estabelecidas nesta Lei.

Parágrafo único. Integram a categoria profissional de que trata esta Lei os motoristas profissionais de veículos automotores cuja condução exija formação profissional e que exerçam a atividade mediante vínculo empregatício, nas seguintes atividades ou categorias econômicas:

I – transporte rodoviário de passageiros;

II – transporte rodoviário de cargas;

III – (VETADO);

IV – (VETADO).

Art. 2º São direitos dos motoristas profissionais, além daqueles previstos no Capítulo II do Título II e no Capítulo II do Título VIII da Constituição Federal:

I – ter acesso gratuito a programas de formação e aperfeiçoamento profissional, em cooperação com o poder público;

II – contar, por intermédio do Sistema Único de Saúde – SUS, com atendimento profilático, terapêutico e reabilitador, especialmente em relação às enfermidades que mais os acometam, consoante levantamento oficial, respeitado o disposto no art. 162 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943;

III – não responder perante o empregador por prejuízo patrimonial decorrente da ação de terceiro, ressalvado o dolo ou a desídia do motorista, nesses casos mediante comprovação, no cumprimento de suas funções;

IV – receber proteção do Estado contra ações criminosas que lhes sejam dirigidas no efetivo exercício da profissão;

V – jornada de trabalho e tempo de direção controlados de maneira fidedigna pelo empregador, que poderá valer-se de anotação em diário de bordo, papeleta ou ficha de trabalho externo, nos termos do § 3º do art. 74 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, ou de meios eletrônicos idôneos instalados nos veículos, a critério do empregador.

Parágrafo único. Aos profissionais motoristas empregados referidos nesta Lei é assegurado o benefício de seguro obrigatório, custeado pelo empregador, destinado à cobertura dos riscos pessoais inerentes às suas atividades, no valor mínimo correspondente a 10 (dez) vezes o piso salarial de sua categoria ou em valor superior fixado em convenção ou acordo coletivo de trabalho.

Art. 3º O Capítulo I do Título III da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, passa a vigorar acrescido da seguinte Seção IV-A:

TÍTULO III

CAPÍTULO I

Seção IV-A Do Serviço do Motorista Profissional

(Seção incluída pela Lei nº 12.619/2012 – DOU 02/05/2012)

Art. 235-A. Ao serviço executado por motorista profissional aplicam-se os preceitos especiais desta Seção.

Art. 235-B. São deveres do motorista profissional:

I – estar atento às condições de segurança do veículo;

II – conduzir o veículo com perícia, prudência, zelo e com observância aos princípios de direção defensiva;

III – respeitar a legislação de trânsito e, em especial, as normas relativas ao tempo de direção e de descanso;

IV – zelar pela carga transportada e pelo veículo;

V – colocar-se à disposição dos órgãos públicos de fiscalização na via pública;

VI – (VETADO);

VII – submeter-se a teste e a programa de controle de uso de droga e de bebida alcoólica, instituído pelo empregador, com ampla ciência do empregado.

Parágrafo único. A inobservância do disposto no inciso VI e a recusa do empregado em submeter-se ao teste e ao programa de controle de uso de droga e de bebida alcoólica previstos no inciso VII serão consideradas infração disciplinar, passível de penalização nos termos da lei.

Art. 235-C. A jornada diária de trabalho do motorista profissional será a estabelecida na Constituição Federal ou mediante instrumentos de acordos ou convenção coletiva de trabalho.

§ 1º Admite-se a prorrogação da jornada de trabalho por até 2 (duas) horas extraordinárias.

§ 2º Será considerado como trabalho efetivo o tempo que o motorista estiver à disposição do empregador, excluídos os intervalos para refeição, repouso, espera e descanso.

§ 3º Será assegurado ao motorista profissional intervalo mínimo de 1 (uma) hora para refeição, além de intervalo de repouso diário de 11 (onze) horas a cada 24 (vinte e quatro) horas e descanso semanal de 35 (trinta e cinco) horas.

§ 4º As horas consideradas extraordinárias serão pagas com acréscimo estabelecido na Constituição Federal ou mediante instrumentos de acordos ou convenção coletiva de trabalho.

§ 5º À hora de trabalho noturno aplica-se o disposto no art. 73 desta Consolidação.

§ 6º O excesso de horas de trabalho realizado em um dia poderá ser compensado, pela correspondente diminuição em outro dia, se houver previsão em instrumentos de natureza coletiva, observadas as disposições previstas nesta Consolidação.

§ 7º ( VETADO).

§ 8º São consideradas tempo de espera as horas que excederem à jornada normal de trabalho do motorista de transporte rodoviário de cargas que ficar aguardando para carga ou descarga do veículo no embarcador ou destinatário ou para fiscalização da mercadoria transportada em barreiras fiscais ou alfandegárias, não sendo computadas como horas extraordinárias.

§ 9º As horas relativas ao período do tempo de espera serão indenizadas com base no salário-hora normal acrescido de 30% (trinta por cento).

Art. 235-D. Nas viagens de longa distância, assim consideradas aquelas em que o motorista profissional permanece fora da base da empresa, matriz ou filial e de sua residência por mais de 24 (vinte e quatro) horas, serão observados:

I – intervalo mínimo de 30 (trinta) minutos para descanso a cada 4 (quatro) horas de tempo ininterrupto de direção, podendo ser fracionados o tempo de direção e o de intervalo de descanso, desde que não completadas as 4 (quatro) horas ininterruptas de direção;

II – intervalo mínimo de 1 (uma) hora para refeição, podendo coincidir ou não com o intervalo de descanso do inciso I;

III – repouso diário do motorista obrigatoriamente com o veículo estacionado, podendo ser feito em cabine leito do veículo ou em alojamento do empregador, do contratante do transporte, do embarcador ou do destinatário ou em hotel, ressalvada a hipótese da direção em dupla de motoristas prevista no § 6º do art. 235-E.

Art. 235-E. Ao transporte rodoviário de cargas em longa distância, além do previsto no art. 235-D, serão aplicadas regras conforme a especificidade da operação de transporte realizada.

§ 1º Nas viagens com duração superior a 1 (uma) semana, o descanso semanal será de 36 (trinta e seis) horas por semana trabalhada ou fração semanal trabalhada, e seu gozo ocorrerá no retorno do motorista à base (matriz ou filial) ou em seu domicílio, salvo se a empresa oferecer condições adequadas para o efetivo gozo do referido descanso.

§ 2º ( VETADO).

§ 3º É permitido o fracionamento do descanso semanal em 30 (trinta) horas mais 6 (seis) horas a serem cumpridas na mesma semana e em continuidade de um período de repouso diário.

§ 4º O motorista fora da base da empresa que ficar com o veículo parado por tempo superior à jornada normal de trabalho fica dispensado do serviço, exceto se for exigida permanência junto ao veículo, hipótese em que o tempo excedente à jornada será considerado de espera.

§ 5º Nas viagens de longa distância e duração, nas operações de carga ou descarga e nas fiscalizações em barreiras fiscais ou aduaneira de fronteira, o tempo parado que exceder a jornada normal será computado como tempo de espera e será indenizado na forma do § 9º do art. 235-C.

§ 6º Nos casos em que o empregador adotar revezamento de motoristas trabalhando em dupla no mesmo veículo, o tempo que exceder a jornada normal de trabalho em que o motorista estiver em repouso no veículo em movimento será considerado tempo de reserva e será remunerado na razão de 30% (trinta por cento) da hora normal.

§ 7º É garantido ao motorista que trabalha em regime de revezamento repouso diário mínimo de 6 (seis) horas consecutivas fora do veículo em alojamento externo ou, se na cabine leito, com o veículo estacionado.

§ 8º ( VETADO).

§ 9º Em caso de força maior, devidamente comprovado, a duração da jornada de trabalho do motorista profissional poderá ser elevada pelo tempo necessário para sair da situação extraordinária e chegar a um local seguro ou ao seu destino.

§ 10. Não será considerado como jornada de trabalho nem ensejará o pagamento de qualquer remuneração o período em que o motorista ou o ajudante ficarem espontaneamente no veículo usufruindo do intervalo de repouso diário ou durante o gozo de seus intervalos intrajornadas.

§ 11. Nos casos em que o motorista tenha que acompanhar o veículo transportado por qualquer meio onde ele siga embarcado, e que a embarcação disponha de alojamento para gozo do intervalo de repouso diário previsto no § 3º do art. 235-C, esse tempo não será considerado como jornada de trabalho, a não ser o tempo restante, que será considerado de espera.

§ 12. Aplica-se o disposto no § 6º deste artigo ao transporte de passageiros de longa distância em regime de revezamento.

Art. 235-F. Convenção e acordo coletivo poderão prever jornada especial de 12 (doze) horas de trabalho por 36 (trinta e seis) horas de descanso para o trabalho do motorista, em razão da especificidade do transporte, de sazonalidade ou de característica que o justifique.

Art. 235-G. É proibida a remuneração do motorista em função da distância percorrida, do tempo de viagem e/ou da natureza e quantidade de produtos transportados, inclusive mediante oferta de comissão ou qualquer outro tipo de vantagem, se essa remuneração ou comissionamento comprometer a segurança rodoviária ou da coletividade ou possibilitar violação das normas da presente legislação.

Art. 235-H. Outras condições específicas de trabalho do motorista profissional, desde que não prejudiciais à saúde e à segurança do trabalhador, incluindo jornadas especiais, remuneração, benefícios, atividades acessórias e demais elementos integrantes da relação de emprego, poderão ser previstas em convenções e acordos coletivos de trabalho, observadas as demais disposições desta Consolidação.

Art. 4º O art. 71 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, passa a vigorar acrescido do seguinte § 5º:

Art. 71.

§ 5º Os intervalos expressos no caput e no § 1º poderão ser fracionados quando compreendidos entre o término da primeira hora trabalhada e o início da última hora trabalhada, desde que previsto em convenção ou acordo coletivo de trabalho, ante a natureza do serviço e em virtude das condições especiais do trabalho a que são submetidos estritamente os motoristas, cobradores, fiscalização de campo e afins nos serviços de operação de veículos rodoviários, empregados no setor de transporte coletivo de passageiros, mantida a mesma remuneração e concedidos intervalos para descanso menores e fracionados ao final de cada viagem, não descontados da jornada.

Art. 5º A Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 – Código de Trânsito Brasileiro, passa a vigorar acrescida do seguinte Capítulo III-A:

CAPÍTULO III-A DA CONDUÇÃO DE VEÍCULOS POR MOTORISTAS PROFISSIONAIS

Art. 67-A. É vedado ao motorista profissional, no exercício de sua profissão e na condução de veículo mencionado no inciso II do art. 105 deste Código, dirigir por mais de 4 (quatro) horas ininterruptas.

§ 1º Será observado intervalo mínimo de 30 (trinta) minutos para descanso a cada 4 (quatro) horas ininterruptas na condução de veículo referido no caput, sendo facultado o fracionamento do tempo de direção e do intervalo de descanso, desde que não completadas 4 (quatro) horas contínuas no exercício da condução.

§ 2º Em situações excepcionais de inobservância justificada do tempo de direção estabelecido no caput e desde que não comprometa a segurança rodoviária, o tempo de direção poderá ser prorrogado por até 1 (uma) hora, de modo a permitir que o condutor, o veículo e sua carga cheguem a lugar que ofereça a segurança e o atendimento demandados.

§ 3º O condutor é obrigado a, dentro do período de 24 (vinte e quatro) horas, observar um intervalo de, no mínimo, 11 (onze) horas de descanso, podendo ser fracionado em 9 (nove) horas mais 2 (duas), no mesmo dia.

§ 4º Entende-se como tempo de direção ou de condução de veículo apenas o período em que o condutor estiver efetivamente ao volante de um veículo em curso entre a origem e o seu destino, respeitado o disposto no § 1º, sendo-lhe facultado descansar no interior do próprio veículo, desde que este seja dotado de locais apropriados para a natureza e a duração do descanso exigido.

§ 5º O condutor somente iniciará viagem com duração maior que 1 (um) dia, isto é, 24 (vinte e quatro) horas após o cumprimento integral do intervalo de descanso previsto no § 3º.

§ 6º Entende-se como início de viagem, para os fins do disposto no § 5º, a partida do condutor logo após o carregamento do veículo, considerando-se como continuação da viagem as partidas nos dias subsequentes até o destino.

§ 7º Nenhum transportador de cargas ou de passageiros, embarcador, consignatário de cargas, operador de terminais de carga, operador de transporte multimodal de cargas ou agente de cargas permitirá ou ordenará a qualquer motorista a seu serviço, ainda que subcontratado, que conduza veículo referido no caput sem a observância do disposto no § 5º.

§ 8º ( VETADO).

Art 67-B. (VETADO).

Art. 67-C. O motorista profissional na condição de condutor é responsável por controlar o tempo de condução estipulado no art. 67-A, com vistas na sua estrita observância.

Parágrafo único. O condutor do veículo responderá pela não observância dos períodos de descanso estabelecidos no art. 67-A, ficando sujeito às penalidades daí decorrentes, previstas neste Código.

Art. 67-D. (VETADO).

Art. 6º A Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 – Código de Trânsito Brasileiro, passa a vigorar com as seguintes alterações:

Art. 145.

Parágrafo único. A participação em curso especializado previsto no inciso IV independe da observância do disposto no inciso III.

Art. 230.

XXIII – em desacordo com as condições estabelecidas no art. 67-A, relativamente ao tempo de permanência do condutor ao volante e aos intervalos para descanso, quando se tratar de veículo de transporte de carga ou de passageiros:

Infração – grave;

Penalidade – multa;

Medida administrativa – retenção do veículo para cumprimento do tempo de descanso aplicável;

XXIV – (VETADO).

Art. 259.

§ 3º (VETADO).

Art. 261.

§ 3º ( VETADO).

§ 4º (VETADO).

Art. 310-A. (VETADO).

Art. 7º ( VETADO).

Art. 8º ( VETADO).

Art. 9º As condições sanitárias e de conforto nos locais de espera dos motoristas de transporte de cargas em pátios do transportador de carga, embarcador, consignatário de cargas, operador de terminais de carga, operador intermodal de cargas ou agente de cargas, aduanas, portos marítimos, fluviais e secos e locais para repouso e descanso, para os motoristas de transporte de passageiros em rodoviárias, pontos de parada, de apoio, alojamentos, refeitórios das empresas ou de terceiros terão que obedecer ao disposto nas Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego, dentre outras.

Art. 10. (VETADO).

Art. 11. (VETADO).

Art. 12. (VETADO).

Brasília, 30 de abril de 2012; 191º da Independência e 124º da República.

Apresentamos abaixo o relatório emitido pelo Sedersp acerca da reunião havida com o Denatran em 17.07.2012, na qual este Sindicato Patronal busca obter uma flexibilização da fiscalização que terá início em agosto, diante das novas exigências para exercício da profissão motofrete. Esclarecemos que, até o momento, não dispomos de informação oficial emitida pelo Denatran, dispondo […]

Leia Mais

Apresentamos abaixo o relatório emitido pelo Sedersp acerca da reunião havida com o Denatran em 17.07.2012, na qual este Sindicato Patronal busca obter uma flexibilização da fiscalização que terá início em agosto, diante das novas exigências para exercício da profissão motofrete.

Esclarecemos que, até o momento, não dispomos de informação oficial emitida pelo Denatran, dispondo sobre o possível acolhimento dos pedidos formulados pelo Sedersp, motivo pelo qual orientamos nossos clientes a continuarem exigindo que seus motociclistas procedam a regularização.

 

SEDERSP

Ontem, dia 17 de Julho, estiveram reunidos o Sr. Fernando Aparecido Souza, presidente do SEDERSP, a Sra Maria Cristina Hoffmann coordenadora geral do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), juntamente com os representantes das instituições SERT (Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho), DETRAN.SP (Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo), Polícia Militar, SMT (Secretaria Municipal de Transportes), DTP (Departamento de Transportes Públicos), CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), SINDIMOTOSP, ABRACICLO, O Serviço Social do Transporte (SEST) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (SENAT) e o SETCESP.

Na reunião, que teve duração de 4 horas, discutiu-se uma forma de viabilizar a fiscalização que ocorrerá no dia 04 de Agosto, onde a Lei 12.009 e suas resoluções serão fiscalizadas. Visto que não há interesse por parte dos motoboys em se regularizarem, o próprio governo e seus órgãos públicos não tem como atender a demanda dos cursos de 30 horas (o SestSenat tem vagas para 1.700 alunos por mês), a prefeitura de São Paulo também não tem como atender a demanda por licenças e cursos (a CET tem vagas para 180 alunos por mês), as empresas tem dificuldade em contratar mão de obra especializada (com curso e licença) e não investem em veículos e equipamentos.

A postura do Denatran é não adiar mais o início da fiscalização, segundo a Sra Maria Cristina Hoffmann, não podemos nos omitir diante de nossas responsabilidades, pois só no Estado de São Paulo já foram capacitados, até ontem, 9.800 profissionais e São Paulo esta sendo exemplo para todo o Brasil. Se os outros estados não estão fazendo a sua parte, terão que se responsabilizar pelos seus atos de incapacidade administrativa e dar a devida resposta a categoria e a sociedade.

Diante desse cenário o Sr. Fernando Aparecido Souza, em nome do SEDERSP, solicitou uma flexibilidade na fiscalização. A proposta consiste em dividir os itens que serão fiscalizados em duas etapas:

1° Etapa) Fiscalização do veículo e seus equipamentos;

2° Etapa) O condutor e suas licenças. Em um primeiro momento aceitar o protocolo de inscrição no curso de 30 horas, ou fiscalizar conforme o último numero da CNH, por exemplo final 1e 2 devem estar de acordo com a lei em Janeiro de 2013, 3 e 4 em Fevereiro e assim sucessivamente.

O Sr. Denis, representante do Setcesp, sugeriu que a liberação das placas vermelhas para motocicletas fossem feitas pelo Detran, não pelo DTP, assim o processo ficaria mais rápido e menos burocrático. Coronel Milton do DTP ficou de viabilizar e estudar a questão junto ao Detran e ao departamento jurídico.

Estas foram algumas sugestões e solicitações feitas ao Denatran o órgão máximo que rege as leis de trânsito do país.

O SEDERSP junto com sua diretoria está atendo a todas as questões referente ao moto-frete, não mediremos esforços e trabalharemos em conjunto para viabilizar a fiscalização e consequentemente a regulamentação do setor, que acreditamos ser essencial para o futuro de nossas empresas.

O SEDERSP está de cara nova, nova diretoria, novos valores, novos objetivos e a missão de representar as empresas de motofrete com trabalho e transparência.

A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados deve aprovar o projeto de lei que reabre o prazo para adesão ao Refis da Crise, o programa de parcelamento de tributos atrasados criado em 2009 pelo governo Lula. Há duas propostas em análise. A primeira prevê a reabertura do prazo de adesão para todos […]

Leia Mais

A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados deve aprovar o projeto de lei que reabre o prazo para adesão ao Refis da Crise, o programa de parcelamento de tributos atrasados criado em 2009 pelo governo Lula.

Há duas propostas em análise.

A primeira prevê a reabertura do prazo de adesão para todos os contribuintes, pessoas físicas e jurídicas.

A segunda reabre o prazo só para aqueles que apresentaram o pedido de parcelamento, mas perderam a data para consolidação dos débitos.

Lembramos, que somente os débitos vencidos até novembro de 2008 podem entrar nesse Refis.

Clique aqui para mais News

“THERE IS NO BETTER WAY OF EXERCISING ONE’S IMAGINATION THAN THE STUDY OF LAW. NO POET EVER INTERPRETED NATURE AS FREELY AS A LAWYER INTERPRETS THE TRUTH.”

Jean Giraudox

Clique aqui para Clippings

Trevisan Merheje Advogados is on the lookout for new talents, and it keeps its network of contacts always active for those who, identifying themselves with the Office’s profile and with its areas of expertise, send their vitae.

We analyze every hiring opportunity that is submitted to us, keeping each vitae in our database to, eventually, schedule an interview.

Send your vitae to the email: trabalheconosco@trevisanadvogados.adv.br
+55 11 3106.1010 | contato@trevisanadvogados.adv.br

Like our Fan Page

Praça João Mendes 52, 3º andar - Centro 01501-000 | São Paulo, Brazil
Al. Lorena 427, 11º andar - Jardim Paulista 01424-000 | São Paulo, Brazil
Show extended map